Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, é preso pela Polícia Federal

 Metro

A PF (Polícia Federal) prendeu na manhã desta quinta-feira (29) o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, além de dois secretários estaduais e outras seis pessoas. Ele foi levado do Palácio das Laranjeiras, residência oficial, ao prédio da Superintendência da PF, no centro da capital fluminense.

Luiz Fernando Pezão, governador do Rio de Janeiro – Marcelo Fonseca/Folhapress

A operação Boca de Lobo é um braço da Lava Jato e busca reprimir crimes de lavagem de dinheiro, organização criminosa e corrupção ativa e passiva, cometidos pela alta cúpula do governo do Rio. Além da PF, colaboram com a ação o MPF (Ministério Público Federal) e a Receita Federal.

O pedido da prisão foi feito pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, baseada em uma delação premiada. A demanda foi aceita pelo ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Felix Fischer.

Além de Pezão, foram decretadas as prisões dos secretários de Obras, José Iran, e de Governo, Affonso Monnerat. Veja lista completa de alvos:

  • Luiz Fernando Pezão – governador do Estado do Rio de Janeiro
  • José Iran Peixoto Júnior – secretário de Obras
  • Affonso Henriques Monnerat Alves Da Cruz – secretário de Governo
  • Luiz Carlos Vidal Barroso – servidor da secretaria da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico
  • Marcelo Santos Amorim – sobrinho do governador
  • Cláudio Fernandes Vidal – sócio da J.R.O Pavimentação
  • Luiz Alberto Gomes Gonçalves – sócio da J.R.O Pavimentação
  • Luis Fernando Craveiro De Amorim – sócio da High Control Luis
  • César Augusto Craveiro De Amorim – sócio da High Control Luis

De acordo com a PF, a ação conta com 150 policiais federais que cumprem ainda 30 mandados de busca e apreensão em locais incluindo o Palácio Guanabara, sede do governo, e o Palácio das Laranjeiras. As defesas dos alvos ainda não se manifestaram.

A equipe do governador eleito do Rio, Wilson Witzel (PSC), soltou uma nota sobre a operação. “O governador eleito confia na Justiça e na condução dos trabalhos pelo Superior Tribunal de Justiça e pela Polícia Federal. A transição não será afetada. A equipe do governador eleito seguirá trabalhando para mudar e reconstruir o Rio de Janeiro.”