São mais de 1,2 mil casos nas últimas 24 horas; taxa de contágio sobe para 1,03 no Estado.

Mato Grosso do Sul já tem 3.895 óbitos por Covid-19 e 204.096 confirmações, desde o início da pandemia. São 41 novas mortes e 1.265 casos confirmados nas últimas 24 horas.

Em isolamento domiciliar encontram-se 11.810 doentes. Recuperados somam em 187.283.

De ontem para hoje, Campo Grande registrou 319 novos casos; Naviraí 125; Dourados 111; Três Lagoas 50; Sidrolândia 41; Aparecida do Taboado 35; Nova Alvorada do Sul 35, Água Clara 29; entre outros municípios.

Campo Grande, Naviraí, Ribas do Rio Pardo, Anaurilândia, Corumbá, Itaquiraí, Ponta Porã, Nioaque, Rio Brilhante, Paranhos, Três Lagoas, Aquidauana, Coxim, Miranda, Brasilândia, Costa Rica e Sidrolândia são as cidades do Estado que apresentaram mortes nas últimas 24 horas.

Existem 1.108 pessoas internadas, sendo 634 em leitos clínicos (434 público; 200 privado) e 474 em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) (349 público; 125 privado).

A ocupação global de leitos de UTI do Sistema Único de Saúde (SUS) na macrorregião de Campo Grande está em 110%; Dourados 101%; Três Lagoas 91% e Corumbá 100%.

Os dados são do Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (SES) desta terça-feira (23).

Já são 12.047.526 brasileiros infectados pelo vírus e 295.425 mortes. Recuperados totalizam em 10.507.995. Os dados são do Ministério da Saúde.

O governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), reforça a importância de seguir as medidas restritivas, especialmente no atual momento, em que os hospitais estão lotados, com 160 na fila de espera por um leito.

“É a importância do isolamento, não tem outro remédio. Por isso editamos alguns decretos, sabemos da contrariedade de alguns segmentos da economia. Se colapsar o sistema de saúde, faltam leitos e nós não queremos isso. O isolamento é a melhor precaução. Entendemos os segmentos econômicos, mas agora não tem outra alternativa.”, explicou Azambuja.

O governador destacou ainda a importância da vacinação, que já tem surtido efeitos, com queda significativa na internação de idosos, especialmente acima de 90 anos, que já tomaram as duas doses da vacina.

“Conforme avança a vacinação, diminui o número de contaminações. MS é o terceiro estado com aplicação da 1ª dose e primeiro estado com aplicação da 2ª dose. A gente faz esse pedido: não deixe vacina na geladeira, amplie a vacinação. Tirar todo o estoque de vacina que tem hoje nos municípios e levar para que pessoas sejam vacinadas”, disse.

Vacinômetro

plataforma disponibiliza qual é a situação no processo de imunização em cada município do Estado.

As pessoas poderão informar-se quantas pessoas já foram vacinadas; quais são os grupos que estão sendo vacinados e quantas vacinas cada município já recebeu.

Segundo dados da ferramenta, 291.922 doses já foram aplicadas no Estado.

De acordo com Painel Coronavírus – Google , 458.132.045 doses já foram aplicadas no mundo.

Doses em MS

No dia 18 de janeiro, 158.760 doses da vacina Coronavac desembarcaram na Base Aérea de Campo Grande.

Em 22 de janeiro, 2 milhões de doses da vacina de Oxford chegaram no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos.

Depois, seguiram para o Rio de Janeiro. Desse número, 22 mil chegaram no Estado no dia 24 de janeiro.

No dia 25 de janeiro, 10,2 mil doses da vacina Coronavac desembarcaram no Aeroporto Internacional de Campo Grande em um voo da Latam.

Mais  32 mil doses da vacina Coronavac chegaram em 7 de fevereiro no Aeroporto Internacional de Campo Grande. As vacinas vieram acondicionadas em 160 caixas.

Em 24 de fevereiro, o Estado recebeu 35,7 mil doses da Coronavac e AstraZeneca.

Sexta remessa, com 27,8 mil doses da Coronavac, desembarcou no Aeroporto Internacional de Campo Grande na manhã de 3 de março.

Em 9 de março, a sétima remessa com 30,6 mil doses chegou ao Estado em um voo da Latam, vindo de Guarulhos.

Em 18 de março, chegaram mais 54,6 mil doses no Aeroporto da Capital. Já é a oitava remessa.

Em 20 de março, chegou a nona remessa com mais de 48,6 mil doses no Aeroporto Internacional de Campo Grande

As vacinas já estão em todos os 79 municípios de Mato Grosso do Sul. A cada lote de entregas, os imunizantes vão sendo distribuídos imediatamente.

A força tarefa de distribuição de vacinas contou com o apoio da Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros.

“Em menos de 24 horas, nós chegamos a todos os 79 municípios. Foi uma integração de resultado que funcionou muito bem. Mato Grosso do Sul deu um exemplo ao Brasil na logística da entrega de vacinas”, disse Azambuja.

De acordo com o Instituto Butantan, a eficácia geral da Coronavac é de 50,4%. Mato Grosso do Sul pretende vacinar toda sua população até julho deste ano.

O governo do Estado apresentou ao Supremo Tribunal Federal uma petição para compra de mais de 500 mil doses do imunizante Sputnik V em negociação com mais sete estados. São eles: Bahia, Piauí, Espírito Santo, Paraíba, Sergipe, Maranhão e Pernambuco.

Vacina

O secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, pede para que a população se vacine e destaca a importância da ciência em todo o processo.

“Além do processo de higiene, usar máscara, distanciamento social, a gente aponta mais uma coisa importante no processo de enfrentamento à Covid-19: a vacina”, cita.

“Não dê espaço para aqueles que jogam no obscurantismo e nem para aqueles que querem voltar aos tempos das trevas. A vacina é uma grande conquista da ciência e da humanidade”, complementa.

Ainda segundo o secretário, a vacina, além de ser um ato de vontade própria, também é um ato de vontade coletiva de fazer com que a pandemia seja cessada.

Em Campo Grande, o sistema de imunização seguirá à risca as determinações orientadas pelo Ministério da Saúde. “A prioridade já vem determinada, vem engessada do governo federal”, afirma.

Sintomas do novo coronavírus

É possível que o cidadão esteja infectado pelo vírus da Covid-19, caso apresente os seguintes sintomas:

  • Febre
  • Tosse seca
  • Perda do olfato
  • Perda do paladar
  • Falta de ar
  • Dificuldade para respirar
  • Dor ou pressão do peito

Orientações

A SES afirma que o isolamento social; o uso de máscara e álcool gel e a higienização das mãos com água e sabão são medidas imprescindíveis para conter a propagação do novo coronavírus.

Pessoas que apresentarem febre, tosse seca ou dor de garganta devem permanecer em isolamento por 14 dias e procurar uma unidade básica de saúde mais próxima.

“Qualquer sintoma, não importa sua idade, se você é uma criança ou idoso. Vá a uma unidade de saúde”, pede a secretária adjunta.

“A doença tem comportamento diferente de pessoa para pessoa. Procure atendimento médico”, acrescenta.

“É importante o isolamento, uso de máscara, a proteção individual e a diminuição das aglomerações. A pandemia não passou. Vidas estão sendo perdidas todos os dias”, apela Reinaldo Azambuja.

É importante ressaltar que mesmo já imunizado, o paciente demora cerca de um mês para criar imunidade contra o vírus, por isso, é aconselhado o uso de máscara, higienização das mãos e distanciamento social.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here