Idosos, profissionais da saúde e outros grupos incluídos no calendário da 4ª dose devem prestar atenção no intervalo após contaminação.

Mais contagiosa que as anteriores, a variante Ômicron da Covid-19 fez do mês de fevereiro – que ainda nem terminou – o mês com o maior volume de casos em toda a pandemia em Mato Grosso do Sul. Foram 46,9 mil pessoas nos primeiros 15 dias, número que supera janeiro.

Com tanta gente pegando Covid-19, e muitas delas com doses de reforço pendentes, como a quarta dose, que já é disponibilizada à população de Mato Grosso do Sul, os que já se recuperaram devem estar se perguntando: quanto tempo devo esperar para tomar a dose de reforço?

Correio do Estado entrevistou o médico infectologista Júlio Croda, e ele foi categórico: o intervalo entre a infecção e a dose de reforço, deve ser de 30 dias.

Segundo ele, é necessário um intervalo de 30 dias para que as pessoas recebam qualquer dose de reforço, inclusive a quarta dose.

Nesta quinta-feira, por exemplo, a Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande deverá vacinar com a 4ª dose, além dos imunossuprimidos – que estavam autorizados desde o ano passado – idosos com mais de 60 anos e profissionais de saúde que tomaram a terceira dose até 17 de outubro.

Apesar de os infectologistas destacarem a importância das doses de reforço, elas precisarão de um intervalo.

A infectologista Priscilla Alexandrino explicou que é apenas uma questão de tempo até que a dose de reforço seja liberada para toda a população.

“Todos tomarão a quarta dose, isso está relacionado a perenidade dos anticorpos e da imunidade celular”, reiterou.

Em Mato Grosso do Sul, o índice de pessoas imunizadas é alto. Nesta quarta-feira (16), 74,6% da população do Estado já havia recebido pelo menos duas doses da vacina. A quarta dose já foi aplicada em pelo menos 186 mil pessoas.

O secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, pontuou a importância das doses de reforço em idosos acima de 60 anos, haja vista que quase 200 mil pessoas em MS não completaram o esquema vacinal com a terceira dose.

“Estamos sendo pioneiros na 4° dose para idosos acima de 60 anos. Inclusive todos os óbitos registrados no dia de hoje são de pessoas acima de 60 anos, por isso essa necessidade da quarta dose pois estamos fazendo nosso papel de preservar vidas”, destacou o secretário.

Quarta dose 

No dia em que Mato Grosso do Sul registrou a marca de 10 mil mortes por Covid-19, desde o começo da pandemia, a SES determinou que idosos com 60 anos ou mais e profissionais da saúde tomem a quarta dose da vacina contra a doença.

Gestantes e puérperas, com até 45 dias de pós-parto também foram incluídos no calendário dessa dose.

A Secretaria ainda orientou que a imunização deve ser feita preferencialmente com o imunizante Pfizer.

Quem for tomar a quarta dose ainda precisa se certificar que a terceira dose foi tomada há mais de quatro meses antes.

De acordo com dados da SES 85.863 trabalhadores da saúde e 282.802 pessoas com 60 anos ou mais estão aptas para tomar a quarta dose.

Anteriormente a essa decisão, pessoas com alto grau de imunossupressão também já estavam recebendo essa dose de reforço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here